Nanotecnologia do Ácido Ferúlico

 em Informativo

Sabemos que cada vez mais as pesquisas e desenvolvimento de matérias primas e de tecnologias avançadas são, dentre outros fatores, o maior desafio das indústrias cosméticas. O objetivo maior de tanta dedicação dos setores de P&D é acompanhar a tendência de solucionar o maior número de disfunções cutâneas dentro do mesmo produto, promovendo assim o estímulo do uso dos dermocosméticos e ainda um resultado mais rápido e eficaz para todos os consumidores.

Para que isso seja realizado, vários fatores precisam estar alinhados e dentre eles, a escolha da matéria prima associada à tecnologia que será empregada naquela determinada formulação para desenvolver essas funções.

Todos os dias são descobertos novos princípios ativos, mas alguns dos já desvendados merecem destaque devido ao grande desempenho que exercem para a pele.

Nos últimos anos o potencial do Ácido Ferúlico tem sido amplamente estudado devido às suas diversas propriedades e mecanismos de ação.

Fórmula Estrutural do Ácido Ferúlico

O ácido Ferúlico pertence à família do ácido hidróxicinâmico. É encontrado em folhas e sementes de várias plantas, mas especialmente em cereais como o farelo do arroz marrom, trigo e aveia. É também presente no café, maçã, alcachofra, amendoim, laranja, abacaxi e tomate, podendo ser apresentado como um ácido fenólico de baixa toxicidade e de boa absorção cutânea.

Essa matéria prima apresenta diversas propriedades e dentre elas a que mais se destaca é o fornecimento de hidrogênio para a neutralização dos radicais livres, compostos estes relacionados com o envelhecimento das células, portanto podemos definir essa matéria prima como um potente antioxidante.

Algumas pesquisas descrevem que os ésteres ferúlicos possuem potencial antitumoral, atuando em linhagem de células cancerígenas de pulmão, cólon, mama e melanoma. Outros estudos indicaram os derivados do ácido ferúlico como inibidor no processo de geração de melanina e que também ajuda a prevenir o dano de nossas células causadas pela radiação ultra violeta, sendo muito utilizado como ingrediente anti-idade e como coadjuvante no clareamento de manchas. É importante citarmos a propriedades como a alta conservação dos tecidos, além da atividade anti-inflamatória que essa substancia apresenta.

O Ácido ferúlico previne os danos causados por radicais livres às membranas celulares, agindo também como reversor dos sinais senis. Por tratar-se de moléculas quimicamente reativas, uma vez produzidas (os radicais livres) podem danificar boa parte da estrutura biológica que entrarem em contato, danos estes percebidos por nós através do “envelhecimento”, chamado de envelhecimento extrínseco.

Comparado a outras substancias antioxidantes, o ácido ferúlico se destaca devido a sua extraordinária ação e estabilização na formulação, uma vez que pode agir sinergicamente com outros antioxidantes, propiciando potência extra aos mesmos.

Além disso, alguns estudos relatam sua ação fotoprotetora. No Japão, por exemplo, essa substância é aprovada como filtro solar, podendo desta forma ser utilizado em protetores solares ou produtos de combate aos efeitos nocivos dos raios UV.

Para potencializar ainda mais o desempenho dessa extraordinária matéria prima, podemos associá-la a uma grande aliada: a nanotecnologia.

A técnica de fabricação de substâncias com dimensão menor que 100 nanômetros é chamada de “nanotecnologia”.

O nanômetro corresponde à bilionésima parte do metro ou a milionésima parte do milímetro. A palavra nanotecnologia vem do grego, onde o prefixo nano significa “anão”. (MARTINELLO, AZZEVEDO, 2009).

A nanotecnologia trabalha com estruturas minúsculas, e foi desenvolvida para alcançar lugares que antes eram impossíveis ser alcançada por produtos convencionais. Em cosméticos, é uma evolução que veio para potencializar ainda mais as formulações, tornando-as ainda mais eficaz. Além da maior permeação dos ativos, essa tecnologia avançada ainda garante uma maior fixação do produto na pele, potencializando assim o nível de hidratação nas camadas mais profundas da pele.

Por esse motivo, a nanotecnologia está difundida por todos os países, sendo uma promessa para os próximos anos devido aos benefícios proporcionados aos seus consumidores.

Dentro da cosmética, ela atua de uma forma mais controlada nas camadas da pele, tornando-se mais eficaz do que as formulações convencionais. Diversos produtos com os mais variados apelos estão disponíveis no mercado e são denominados como nanocosméticos. Entre os benefícios que a nanotecnologia pode trazer ao setor, destacam-se a melhor penetração de ingredientes ativos na pele e no cabelo, a estabilização de substâncias, a melhoria da eficácia e do sensorial dos produtos e a possibilidade de liberação controlada dos ativos. (MARTINELLO, AZEVEDO, 2009).

Portanto, concluímos que na forma nanoparticulada o ácido ferúlico tem sua permeação cutânea significativamente intensificada e age inibindo a oxidação que conduz à melanogênese, sendo determinante no clareamento da pele e na uniformização da sua tonalidade.

A grande novidade é a utilização dessa união tecnológica em formulações específicas para a área dos olhos, que, juntamente com um mix de outros princípios ativos, prometem resultados surpreendentes para o tratamento de olheiras e rugas periorbitais, melhorando a qualidade do tecido e um tratamento integral para essa região.

Confira o protocolo “Bioincremento Celular para Reconstrução Cutânea e o Realce Da Expressão do Olhar” clicando aqui.

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar